fbpx

Por Trás do GSPP: Jussara Nova Raris

Jussara Nova Raris, nossa gestora de shopping center, é a segunda sócia entrevistada na série “Por trás do GSPP”.  Confira:

Como conheceu o GSPP?

Sempre trabalhei no setor varejista e o GSPP é uma empresa bem conhecida neste ramo. Devido à sinergia nas atividades que praticávamos, a de Shopping e Franquias, eu costumava participar dos eventos de varejo promovidos pela casa e, também, de encontros com os sócios.

Quando surgiu a oportunidade de integrar o time, entendi que era o momento de ampliar o meu campo de atuação já que, além de aplicar na prática a minha experiência profissional, poderia adquirir novos aprendizados.

   
Fale um pouco da sua trajetória profissional até chegar ao GSPP?

Toda a minha trajetória profissional foi em Shopping Center. Trabalhei no Plaza Shopping Niterói, Norte Shopping, São Conrado Fashion Mall, Rio Plaza, Ilha Plaza e Barra Shopping

e nos mais diferentes cargos: de Gerente à Diretora e Superintendência.

Como a sua experiência em shoppings agrega ao nosso negócio?

Quando o assunto é varejo – shoppings e lojas (franquias ou não) – o maior desafio é a gestão de pessoas: estar atento às mudanças e estar preparado para lidar com qualquer adversidade.
A minha vivência na área me trouxe mais visão de mercado e mais capacidade de superar desafios de forma eficiente, além do entendimento de que, no mundo em que vivemos, é preciso estarmos constantemente atualizados.

Qual o segredo para uma gestão eficiente de shopping Center?

O segredo é entender que, por trás dos resultados, há uma cadeia de agentes que contribui para a excelência e a eficiência de um shopping center: os empreendedores, os proprietários das lojas, a equipe da administração e das lojas e os consumidores finais.

A gestão adequada de todos esses stakeholders contribui para uma boa gestão administrativa e é a melhor maneira de alcançar resultados concretos.

Os recentes acontecimentos causaram impactos profundos nos shoppings de todo o Brasil. Como você enxerga o futuro dos shoppings?

As mudanças na comunicação, na educação e nos hábitos de consumo de produtos e serviços já vinham ocorrendo. Os recentes acontecimentos contribuíram ainda mais para essa aceleração e para a consequente digitalização do varejo.

Os shoppings que já se perguntavam como se manter relevantes, agora, mais do que nunca, buscam essa resposta promovendo mudanças significativas na relação com o consumidor.

Auxiliados principalmente pela tecnologia, muitos empreendimentos estão entendendo que não há mais a separação entre o físico e o virtual, mas sim uma integração – a realidade figital, que está muito mais dinâmica. O shopping expande seus limites físicos e de horários e conseguimos notar essa mudança através do delivery, aplicativos, integração de sites e lojas e por aí vai…

Mais mudanças ocorrerão.  É preciso que os gestores estejam atentos.

Gostou da entrevista? Deixe seus comentários na publicação.

Saiba Mais
Mentiras e Verdades Sobre Empreendedorismo

Mentiras e Verdades Sobre Empreendedorismo

Empreender é o objetivo de muitos brasileiros. Pesquisas recentes do SEBRAE revelam +20% no número de empreendedores em relação a 2020.

E hoje, no Dia da Mentira, preparamos uma lista com MENTIRAS E VERDADES sobre o universo do empreendedorismo.

Só empreende quem tem ideias únicas – MENTIRA

Uma boa ideia não é sinônimo de um bom negócio.  O sucesso de um empreendimento está ligado a um conjunto de fatores, como uma boa equipe e gestão, recursos financeiros, planejamento estratégico e consultoria empresarial.

O sucesso do negócio vem rápido – MENTIRA

Os resultados de um negócio são vistos a médio e a longo prazo e para alcançá-los é preciso muito planejamento, negociações, investimento, pesquisa de mercado – além da aceitação do público.

Ter uma franquia amplia as chances de ganho – VERDADE

O retorno financeiro, baseado em um modelo de negócio já consolidado, apesar de levar tempo, é um dos fatores que mais atrai as pessoas para o universo do franchising.

É preciso ter muito dinheiro para começar – MENTIRA

Estudar, analisar e planejar são palavras de ordem para quem quer encontrar o negócio perfeito para o seu perfil. Os investimentos variam de acordo com cada segmento e uma experiente consultoria empresarial pode te ajudar.

Ter uma consultoria empresarial é fundamental – VERDADE

A contratação de uma consultoria empresarial deve ser vista como um investimento que traz retornos financeiros e institucionais para a companhia, através da assertividade, experiência, agilidade.

Saiba Mais
Por Tras do GSPP Mercia Vergili

Por Trás do GSPP: Mércia Vergili

Novidade no blog! O “Por trás do GSPP”, nossa nova série, conta um pouco mais da trajetória profissional dos sócios à frente do GSPP.

Mércia Vergili é a estreante. Sócia da filial de São Paulo e empresária com 24 anos de atuação no franchising, Mércia revela nesta entrevista como conheceu o GSPP, dicas para quem quer empreender e muito mais.

Confira! 

Como conheceu o GSPP?

Em janeiro de 2017. Eu era franqueada de uma empresa de tecnologia, a SOS Tecnologia e Educação, quando outra franqueada me procurou e me apresentou à empresa.

Fui ao Rio para conhecer o André e Umberto, que me mostraram a oportunidade de ser sócia do GSPP em São Paulo. Aceitei e três meses depois iniciei, junto com meu marido, nossas atividades no escritório de São Paulo, onde estamos até hoje.

   
Você é formada na área de saúde. Como surgiu o interesse pelo mercado de franquia?

Sou Assistente Social com especialização em Educação em Saúde Pública, área em que trabalhei durante quase 10 anos. O ritmo de trabalho era intenso e resolvi partir em busca de novas oportunidades, para algo flexível, que me desse retorno financeiro e autonomia. 

O ano era 1993 e durante as minhas pesquisas, identifiquei no digital um potencial negócio para investimento – naquela época, tudo que tivesse relação com informática estava em alta. Foi assim que iniciei como franqueada, em sociedade com meu marido e meu irmão, da SOS Computadores (atualmente SOS Tecnologia e Educação). 

A empresa foi uma excelente escola de franchising, impulsionando eu e meu marido a adquirir outras franquias. Todas elas têm seu significado especial e contribuição para os ensinamentos que carrego comigo.

Atualmente você é consultora de franquias, mas já atuou do outro lado do balcão durante muito tempo. Quais foram as maiores lições e desafios dessas experiências?

Fui franqueada da SOS Computadores de 1993 a 2017, durante 24 anos. Tive a sorte de iniciar em uma franquia muito bem estruturada, com padrões bem definidos e iniciar em um momento de muita procura por cursos de informática, que eram os nossos produtos.                                                       

Aprendi a seguir as normas da franqueadora e a trabalhar com toda a equipe da franqueadora, bem como com os outros franqueados da rede. Trabalhar em uma franquia organizada foi um dos grandes diferenciais desta experiência.

Durante esse período, tivemos 5 (cinco) franquias, o que me impulsionou a buscar mais conhecimentos na área e cursar uma pós graduação em Gestão de Franquias.

Como funciona o trabalho de uma consultora de franquias?

O trabalho vai desde a prospecção de marcas com potencial para se tornar uma franquia, até ao acompanhamento de todo o processo de formatação.                                                                                   

Neste trabalho, conhecemos muitas pessoas e empresas com diferentes ideias para a expansão dos seus negócios e o nosso papel é orientar sobre qual o melhor caminho a seguir.                                                   

Quais as suas melhores habilidades que você traz para a função?

O conhecimento e a vivência que tenho em franquias. Nossa opinião é baseada na prática do dia a dia e isto me dá muita segurança no atendimento aos nossos clientes, sendo um de nossos diferenciais.

Saber avaliar as marcas que nos procuram para entender se tem perfil para serem franquias ou não.

Também procuro acompanhar o processo e orientar os novos franqueadores para que tenham uma franquia bem equacionada, com boas relações com e entre franqueados e franqueadores.

Quais conselhos você daria para quem tem vontade de empreender?

Quem quer empreender tem que ter coragem de se arriscar. Não existe nada 100% seguro. Empreender vale muito à pena e para ter resultado, tem que ter muita dedicação ao trabalho. Vá e faça seu negócio acontecer. Sempre será um aprendizado.

Qual o segredo para o sucesso do negócio?

Para ter sucesso nos negócios é preciso ter persistência e não desanimar nunca.

Para as novas franqueadoras, um ponto importante é terem assessoria qualificada para estarem devidamente preparadas para receber seus franqueados. Ter um plano de negócio, um projeto que gere uma interessante experiência ao cliente. E por último, não se frustrar com as ideias que não dão certo.

O que mudou quando falamos em franchising nos últimos tempos?

O franchising hoje é muito mais conhecido e reconhecido como uma importante estratégia de expansão para uma marca. Os empresários de 20/30 anos atrás abriram o caminho para que hoje se conhecesse mais sobre franquias. Hoje há maior profissionalização das franqueadoras, vemos algumas marcas que já nascem com o propósito de se tornar uma rede de franquias. Existe ainda a Nova Lei de Franquias, que dá maior segurança ao franqueado e ao franqueador.

Quais as tendências do mercado de franchising em 2021?

Dados nos revelam que tivemos mais abertura de empresas que fechamento – 1 milhão x 3,3 milhões de novas empresas.
Alguns segmentos tiveram crescimento expressivo no consumo. Destaco os seguintes as seguintes tendências:

Mercado Pet: o Brasil é o terceiro maior mercado pet do mundo e as projeções envolvendo produtos e serviços para animais de estimação são animadoras

Negócios voltados a melhorias nas residências, seja decoração, aromas de ambiente, construção civil e jardinagem.

Negócios que oferecem serviços e soluções para os negócios, como softwares de gestão e e-commerce.

Em alimentação, os negócios adaptados ao delivery tiveram aumento de expressivo de pedidos, surgindo as dark kitchens, totalmente voltadas para o delivery.

Clínicas de tratamento de beleza e também co-working médico surgiram com força total.

Gostou da entrevista? Deixe seus comentários na publicação.

Saiba Mais
T.T.Burger

T.T.Burger

O T.T. Burger é a primeira hamburgueria 100% brasileira e que tem um cardápio assinado por um chef renomado no Brasil. Atualmente com 8 lojas em várias regiões do Rio, a marca coleciona prêmios e conquista corações com suas comidas que traduzem a inovação do chef Thomas Troisgros. O cardápio propõe ingredientes exclusivamente nacionais, caseiros, artesanais e preparo especial e uma experiência culinária única. Uma marca do bem, que viraliza sorrisos, ama a diversidade e contribui para a transformação do mundo.

Com o GSPP: Formatação da Franquia

Saiba Mais
Kakau Lopes

Kakau Lopes

A Kakau Lopes Make Up é a materialização do sonho da beauty artist Kakau Lopes, que resolveu transformar a sua paixão em negócio. Desde 2017 a marca traz no portfólio produtos de maquiagem com qualidades incomparáveis para todas as mulheres e tons de peles. O constante investimento em inovação resulta em batons, rímeis, blushes e iluminadores de qualidades incomparáveis, explicando o sucesso da marca que conta com um distribuidor internacional. 

Com o GSPP: Formatação da Franquia

Saiba Mais
Restaurante Siri

Restaurante Siri

No restaurante Siri o cliente encontra o mais especializado e variado cardápio em frutos do mar. Além de irresistíveis, os pratos prezam pela fartura e os clientes desfrutam desse momento em um ambiente confortável e sofisticado. A equipe trabalha em constante busca de novas ideias, sabores e texturas para oferecer inovações e qualidade capazes de surpreender o paladar a cada visita. Pratos à la carte, petiscos, ampla carta de vinhos, drinks e uma experiência gastronômica para ser repetida muitas vezes. 

Com o GSPP: Formatação da Franquia

Saiba Mais
Priscilla Whitaker

Priscilla Whitaker

A Kakau Lopes Make Up é a materialização do sonho da beauty artist Kakau Lopes, que resolveu transformar a sua paixão em negócio. Desde 2017 a marca traz no portfólio produtos de maquiagem com qualidades incomparáveis para todas as mulheres e tons de peles. O constante investimento em inovação resulta em batons, rímeis, blushes e iluminadores de qualidades incomparáveis, explicando o sucesso da marca que conta com um distribuidor internacional. 

Com o GSPP: Formatação da Franquia

Saiba Mais
Almoçando o Varejo 2021

Almoçando o Varejo 2021

Saiba Mais
Negócios promissores para investir em 2021

Negócios promissores para investir em 2021

Mercia Machado Vergílio, consultora do GSPP São Paulo, destaca negócios promissores para investir em 2021. O segmento pet e negócios voltados a melhorias das residências, como o segmento de construção e jardinagem, foram citados no Portal do Franchising.

O conceito da Buratto Consultórios, cliente da franqueadora GSPP, é tendência e também foi citado na reportagem. Confira!

Saiba Mais
Carnaval e Comportamento Empreendedor – O Que Tem a Ver?

Carnaval e Comportamento Empreendedor – O Que Tem a Ver?

Carnaval é época de folia, mas também de aprendizado. As escolas de samba, os blocos de rua e os cortejos nos ensinam muito sobre comportamento empreendedor.

Ô abre-alas que eu quero aprender!

Planejamento e Execução

O planejamento estratégico é item indispensável no Carnaval e na gestão empresarial. Tanto nas escolas de samba quanto nas empresas, é preciso tempo e antecedência para planejar as ações que serão executadas futuramente.

Nas escolas de samba, por exemplo, o planejamento para o desfile, que dura apenas 80 minutos, na Marquês de Sapucaí, é realizado com um ano de antecedência. É nesse momento que os carnavalescos se reúnem para definir o próximo tema, enredo e demais ações, para que no dia do desfile tudo esteja pronto.

E no ambiente organizacional não é diferente. Empreendedores precisam se preocupar não só com a execução, mas com o planejamento. Um plano de negócios bem definido, com valores de investimento inicial e projeções a médio e longo prazos, por exemplo, são itens fundamentais – auxiliando na prevenção dos riscos e nas tomadas de decisões.

No entanto, não basta só planejar. É preciso executar. A definição de objetivos e metas aliada à gestão por resultados auxilia a equipe na realização das tarefas.

Metas

As metas são bases fundamentais para a administração de qualquer organização. Elas devem ser estabelecidas durante o planejamento estratégico, definindo os processos de trabalho a partir da divisão de tarefas. 

A definição de metas é crucial para atingir bons resultados. Para ser a campeã do Carnaval, atrair milhares de foliões com segurança e alegria às ruas ou dobrar o faturamento da empresa, o trabalho em equipe é indispensável.

Trabalho em Equipe

A estrutura de organização de uma escola de samba é uma das principais lições para o universo empreendedor. A harmonia (integração dos membros da escola) e a evolução (expressão da dança com o ritmo) são quesitos de avaliação do Carnaval que podem ser facilmente adaptados para o ambiente empresarial.

O envolvimento, a criatividade, o comprometimento, bem como a sensação de pertencimento (notada fortemente nas relações entre comunidades e escolas de samba) devem ser fatores comuns aos funcionários de uma empresa – tal como acontece com os componentes de uma bateria, por exemplo, que devem estar no mesmo ritmo.

De acordo com a Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba), cerca de 40 mil pessoas trabalham direta ou indiretamente no Carnaval. São costureiras, ferreiros, carpinteiros, pintores, escultores, decoradores, aderecistas, eletricistas e soldadores. Todos apaixonados pelo que fazem.

Eles são orientados, motivados e engajados por um líder, fazendo o samba na avenida acontecer.

O sucesso de uma escola de samba, bem como o de uma empresa, depende do trabalho de dezenas de líderes – cada um coordenando uma ala para o sucesso na avenida. Se uma falhar, o resultado de toda a escola é comprometido – e não há segundas chances. O mesmo acontece nas organizações: basta um erro para comprometer todo o processo.

Movimentação da Economia

O Carnaval também aquece a economia e atrai investimentos. Em 2020, de acordo com a RioTur, a movimentação econômica foi de R$ 4 bilhões, com geração de 25,4 mil vagas temporárias.

A maior festa popular brasileira reforça o espírito empreendedor carioca: é comum nessa época faturar uma renda extra vendendo sacolés, acessórios ou fantasias de carnaval.

GSPP e Carnaval: Nossa Vibe de Fazer Negócios

O GSPP leva para a avenida, literalmente, sua vibe de fazer negócios, reforçando a nossa tradição e expertise na realização de grandes eventos.

Com espaço exclusivo na Marquês de Sapucaí, o GSPP promove relacionamentos e faz negócios da sua melhor maneira: de um jeito leve e descontraído, com entusiasmo, movimento e vibração.

Através da ativação das marcas parceiras, que contam com espaço exclusivo e diferenciado para divulgar seus produtos, o GSPP promove o marketing de experiência, estreitando o relacionamento com parceiros e fomentando a economia da cidade.

Saiba Mais
NRF 2021

NRF 2021: confira os temas de destaque

Responsabilidade social e ambiental, inovação e experiência do consumidor foram os temas de destaque da NRF 2021.

O “Chapter 1” da 110ª edição da NRF Retail’s Big Show, maior e mais tradicional evento de varejo do mundo, aconteceu na última sexta-feira, 22, e reuniu diversos palestrantes especialistas do varejo.

A edição deste ano aconteceu online e nós, do GSPP, separamos os principais insights do que rolou nos seis dias de evento:

Marcas devem adotar o posicionamento ESG (“environmental, social and governance”) e apostar na digitalização

O estilo de vida do consumidor mudou. Ele está mais atento às questões existenciais e às emoções, portanto, é uma necessidade que deve ser incorporada ao DNA do negócio.

As responsabilidades social e ambiental, junto à confiança perante à marca, ganharam mais importância.

Experiências personalizadas nos ambientes on e offline

Cada vez mais exigentes e multicanais, os clientes desejam ter a mesma experiência nos ambientes físico e virtual.

Para isso, invista no atendimento omnichannel, na segmentação da sua base, use e abuse de dados e mapeie a jornada de compra do seu consumidor.

A personalização também engloba saber como o seu cliente deseja interagir com a marca e satisfazê-lo.

Inovação e Tecnologia

Novas formas de impactar o consumidor tiveram que ser estabelecidas em um curto período de tempo.

Os varejistas devem investir em tecnologia, através de experiências seguras, para impactar a experiência do consumidor com a marca.

Inteligência Artificial, o pagamento sem contato e visitas às lojas com hora marcada, além de lives commerce foram algumas das estratégias que surpreenderam grandes varejistas.


Mudança no papel das lojas físicas

o crescimento do e-commerce vem remodelando o papel das lojas físicas, vistas agora como uma extensão do ambiente online.

A diretora sênior de Consumidor Digital da Euromonitor, Michelle Evans, apresentou resultados de um estudo realizado em 100 países, incluindo o Brasil, que mostra como os avanços tecnológicos estão criando mudanças nos hábitos de compra.

Os consumidores estão ficando cada vez mais próximos com as novas tecnologias.

A NRF ‘Chapter 2’, também online, será transmitido de 6 a 8 de junho.

E aí, o seu negócio está preparado para as novas tendências do varejo?

Fonte: Mercado e Consumo

Saiba Mais
05 Maneiras de Encantar o seu Cliente no PDV

5 Maneiras de Encantar o Seu Cliente no PDV

O seu cliente está feliz com o atendimento proporcionado pela sua empresa? Confira dicas de como garantir a satisfação dele e conquistar novos consumidores.  

Imagine a seguinte situação: o cliente entra na sua loja com a intenção de comprar. Ele olha as prateleiras, analisa um produto, observa outro…, mas nenhum dos funcionários sequer o cumprimenta ou se dispõe a ajudá-lo.

O resultado? Ele sai da loja insatisfeito, você não realiza a venda e o mais grave: proporciona uma experiência ruim.

Muito chato, não é mesmo? Ninguém gosta de passar por essas situações.

Por isso, é muito importante investir em atendimento de qualidade para atender as necessidades e superar as expectativas do seu consumidor. Cada vez mais exigente, ele busca retorno rápido para as suas exigências.

Mas afinal, o que é satisfação do cliente?

Satisfação do cliente é um indicador de desempenho que mensura o quanto uma empresa consegue atender as expectativas do consumidor. Pesquisas de satisfação, NPS (Net Promoter Score), formulários e Escala Likert são apenas algumas das maneiras de medir o índice de satisfação do seu público.

Para você arrebentar nas vendas, separamos neste artigo algumas dicas.

Vamos lá?!

Mantenha uma comunicação clara

Apresentação visual é muito importante. Um ponto de venda bem sinalizado (com cartazes e totens, por exemplo) e organizado mostra ao cliente o seu esforço para atendê-lo bem.

Aplique técnicas de experiência sensorial

A experiência do consumidor está diretamente relacionada com a percepção do ambiente. Utilizar todos os sentidos para envolver o cliente e despertar nele uma sensação agradável é essencial. Imagine entrar em uma loja com ambiente climatizado e se deparar com um serviço de degustação e, de quebra, ganhar um brinde? Todas essas formas impactam positivamente na experiência do seu consumidor.

Treine os colaboradores

O exemplo citado no início deste artigo reforça a importância de investir em um bom treinamento dos seus colaboradores. No momento do atendimento, eles são os porta-vozes da sua marca. Cordialidade, simpatia e conhecimento dos produtos ofertados são diferenciais que provocam uma boa impressão no cliente final.

Ofereça atendimento omnichannel

Essa estratégia visa à integração de todos os canais de comunicação para atender (e superar) a experiência do cliente com a marca. Para isso, é importante que seu negócio esteja presente e que a comunicação seja consistente em todos os pontos de comunicação com o consumidor.

Faça pesquisas de satisfação

O feedback dos clientes é essencial para saber se você está no caminho certo. É mais uma oportunidade para mudar e melhorar algo que não estava funcionando. Você pode fazer as pesquisas de forma online, através das redes sociais (recursos dos stories, no instagram, costumam funcionar bem), formulários e e-mails. Contratar uma equipe especializada para medir a satisfação offline também é um bom recurso. 

Saiba Mais
Tendências do Varejo para 2021

Tendências do Varejo para 2021

Shop streaming, fashion delivery, fulfillment, ship from store e BOPIS.

O que esses termos de negócios têm em comum? Todos fazem parte das tendências do varejo para 2021, que promete ser cada vez mais digitalizado.

A seguir apresentamos um a um pra você:

– Shop streaming: é a transmissão ao vivo, nas redes sociais, com o objetivo de realizar vendas. Apresentar vitrines, mostrar diferenciais e detalhes do produto são algumas maneiras de engajar e conquistar o seu consumidor.
Vantagens: humanização e dinamização do negócio.

– Fullfilment: são as operações logísticas que envolvem todo o processo de atendimento ao pedido do cliente, no comércio eletrônico. É uma operação terceirizada, possibilitando ao lojista a focar somente nas vendas.
Vantagens: redução de despesas de armazenagem e transporte.

Fashion delivery como o próprio nome sugere, é o delivery de roupas. É uma forma eficiente e segura de vender no varejo de moda. Funciona assim: após o cliente preencher cadastro com suas preferências de roupas, cores e estilos, ele recebe uma maleta personalizada, em casa, com os produtos selecionados.
Vantagens: diminuição dos custos operacionais e economia de tempo.

– Ship from Store é o conceito que trata as lojas como centros de distribuição, ou seja, o estoque da loja física é usado pelo varejista para atender aos pedidos online.
Vantagens: redução de perdas de vendas e maior rotatividade do estoque.

– BOPIS: o conceito “Buy On-line Pick up In-Store” (compre online e retire na loja) integra lojas físicas e virtuais, atendendo as exigências do consumidor atual.

Vantagens: otimização de tempo e redução de custos com entrega.

Saiba Mais
Phygital: por que aplicar agora no seu negócio

Phygital: por que aplicar agora no seu negócio

Até meados dos anos 2000 acreditava-se que o futuro estaria no ambiente digital, substituindo totalmente o meio físico.

Comprar em lojas, olhar vitrines e dizer a tradicional frase “só estou dando uma olhadinha” ficariam para trás.

O Phygital chegou para mudar o rumo dessa história.

Continue lendo para saber como ele impacta o mercado e como as marcas necessitam aplicar para já esse conceito.

Phygital é a contração de Physical (físico) com Digital. A união dos ambientes online e offline é cada vez mais necessária, afinal, o consumidor 5.0 está mais exigente, ávido por transparência e soluções imediatas.

Diante desse cenário, as empresas precisam aproveitar o potencial de engajamento dos meios digitais e oferecer soluções úteis para o dia a dia das pessoas. Através da integração do cliente em todos os canais e fazendo uso das várias ferramentas existentes, o objetivo é proporcionar uma experiência completa – gerando confiança, atraindo novos consumidores e fidelizando os antigos. É a chamada omnicalidade.

Um ponto importante que deve ser lembrado é a pluralidade do público, o que configura a necessidade de engajamento de diversas formas. Ex: um mesmo indivíduo pode gostar de fazer compras presencialmente e navegar pelo e-commerce. Nos dois ambientes a abordagem e a interação são diferentes, mas com um único objetivo: a satisfação. As tecnologias de realidade aumentada e QR Code são exemplos.

Empresas Phygital são sucesso

A Amazon Go é um ótimo exemplo. Trata-se de uma loja física sem processo tradicional de check-out. Usando o aplicativo Amazon Go, o cliente pega o produto desejado e sai. A tecnologia “Just Walk Out” detecta automaticamente o momento de retirada do produto e o retorno às prateleiras, além de rastreá-los em seu carrinho de compras virtual. O valor é cobrado diretamente no cartão de crédito quando o cliente sai da loja e a pessoa recebe um recibo.

Saiba Mais
Possuo uma Marca e quero transformá-la em Franquia

Possuo uma Marca e quero transformá-la em Franquia. O que devo fazer?

Bastante interessante, o assunto é pauta entre diversos profissionais.

Em primeiro lugar, é bom ressaltar o crescimento do setor de franchising no nosso País, apesar do momento conturbado que estamos vivenciando.

Para fazer tal afirmação, consubstanciamo-nos em alguns indicadores apresentados pela ABF (Associação Brasileira de Franchising), que apontam o referido crescimento.

– Faturamento bruto das redes franqueadoras crescendo ano após ano acima da inflação;

– Números estáveis de redes franqueadoras;

– Unidades franqueadas também crescendo anualmente;

Resumidamente: notamos que o faturamento do setor cresce, as unidades franqueadas aumentam e as redes franqueadoras permanecem estáveis.

Com isso, orgulhosamente enfatizamos que o mercado de franquia está na contramão da crise.

“Não existe crise para todo mundo ao mesmo tempo”.

Com a explanação inicial referente ao mercado, permitimo-nos entrar no tema central ora proposto.

“Quero ser um franqueador, mas estou preparado?” “Este é o momento de transformar a minha marca em uma rede de franquia?”.

Não resta dúvida de que um dos canais de distribuição mais seguros no Brasil é a franquia, desde que feito de maneira correta e profissional.

Percebemos, ao longo dos anos, que muitos empresários sempre argumentam que as suas empresas ainda não estão preparadas para tornarem-se franqueadoras.

Uma coisa é certa: sempre que nós, empresários, olhamos para dentro dos nossos negócios, queremos alterá-los. O que queremos dizer com isso, é que nunca conseguiremos chegar à perfeição, mas a cada dia que “treinamos”, chegamos ainda mais perto da excelência.

Consideramos que uma rede franqueadora, para ser bem sucedida, tem que primar pelas excelências destes 04 pilares: planejamento, gente, relacionamento e treinamento.

Expandir um negócio através do franchising, requer certo investimento inicial e trabalho. Primeiro, as áreas da sua empresa devem estar nos formatos ideais para,depois, o formato ser replicado a terceiros.

Para tornar uma marca franqueável, é importante que você olhe para dentro do seu negócio e faça algumas perguntas a fim de avaliar determinados aspectos iniciais. É importante ressaltar que, nem sempre, a falta de um ou outro aspecto torna impeditivo o processo de expansão através da franquia. Através do treinamento constante, fator explicitado anteriormente, poderemos chegar lá.

Questione-se:

– Minha marca possui um histórico de sucesso?

-Minha empresa está saudável financeiramente ou quero usar a franquia para tentar salvar o meu negócio?

– Tenho capacidade financeira para suportar os custos iniciais de uma formatação?

– Meus produtos ou serviços apresentam diferenciais competitivos diante da concorrência?

– Tenho know-how (autoridade e conhecimento) do meu negócio?

– Tenho atitude varejista?

– Minha operação possui potencial e condições de ser replicada a terceiros?

Enfim, estas são apenas algumas dicas para quem pretende iniciar no segmento do franchising.

Lembrando que, a falta de algum destes aspectos não impede você de tornar-se um franqueador. Ressalto também, que o processo de formatação de franquia contribui bastante para o aperfeiçoamento dos processos internos de uma marca. Fazendo assim, você chegar mais perto da perfeição nos seus negócios.

Por Andre Luís Soares Pereira

Saiba Mais
Vendas de Natal

Vendas de Natal: prepare o seu varejo para a melhor data comercial do ano

O Natal se aproxima e com ele a possibilidade de vender muito. Trata-se da melhor data comercial do ano e, para aproveitar essa oportunidade, o seu varejo precisa estar preparado.

É claro que essa época por si só já é vantajosa. Nesse período, os clientes estão mais propensos a novas compras e o desejo de presentear familiares e amigos facilita as vendas de Natal. É importante frisar que, para elas acontecerem, é preciso a atuação ativa da sua empresa.

Como esse é um período bastante atribulado, seguem algumas dicas que podem te ajudar a preparar o seu varejo para a época natalina. 

Invista em atendimento de qualidade

Para garantir boas vendas de Natal, é preciso atender bem o cliente e ouvir o que ele deseja comprar. Para isso, você precisa investir no treinamento da sua equipe de vendas: ela deve estar preparada para receber os clientes com atenção e mostrar o mix de produtos da loja. É importante, também, pensar na estratégia de que é mais vantajoso aumentar o ticket médio de uma venda do que atender vários clientes ao mesmo tempo. 

Aposte em atrações para a loja

Investir na decoração da sua loja é um ótimo atrativo para as vendas de Natal. Tudo o que é novidade desperta a curiosidade dos clientes. Além da decoração natalina, você também pode apostar em outras atrações de acordo com o seu segmento. Por exemplo: seu público teria interesse em música ao vivo? Em um Papai Noel recebendo os clientes? De que outras maneiras você conseguiria atrair a clientela para a loja? 

Outro ponto para o qual você precisa dar atenção é a experiência de compra que o cliente terá na sua loja. Use aromatizadores de ambiente, sons e iluminação adequados ao seu segmento. O objetivo é fazer com que seus clientes se sintam bem e, consequentemente, mais propensos a comprar.

A organização da loja também merece atenção. Disponha produtos complementares próximos, como sapatos, meias, carteiras e cintos. Isso estimula o cliente a levar outros produtos.

Ofereça promoções

Todo mundo adora promoção!! Descontos progressivos, por exemplo, são uma boa opção: 10% de desconto na compra de 01 produto; 20% de desconto na compra de 02  produtos e 30% de desconto na compra de 03 produtos e assim sucessivamente. Esse é apenas um dos diversos gatilhos mentais que você pode usar para estimular o cliente a comprar mais.

Outra possibilidade são os combos do tipo “compre um e ganhe outro”. Também podem ser ofertados kits prontos, já com embalagens de presente.

Sempre que possível, ofereça algum mimo ao cliente, um brinde. Os clientes que compram para presentear vão adorar ser lembrados por você e terão mais empatia com a sua loja. Isso resulta em relacionamento de longo prazo.

Mas, lembre-se: antes de definir qualquer tipo de promoção, é fundamental analisar os dados da sua empresa. Por exemplo, quais produtos têm mais e menos saída, quais produtos você tem mais margem para reduzir o preço, como está o seu estoque etc.

Facilite a forma de pagamento

Uma das melhores maneiras de garantir mais vendas no Natal é disponibilizar diversas formas de pagamentos, sempre considerando aquelas que mais atraem os clientes. O parcelamento sem juros, por exemplo, é o mais querido dos consumidores. 

Compreenda os gatilhos mentais que ativam a necessidade de compra do seu cliente e tenha mais chances de aumentar as vendas de Natal e o lucro da sua empresa. 

No mais, é fundamental que você considere o histórico de vendas antes de tomar qualquer decisão. Consulte o sistema de gestão da sua empresa e verifique a possibilidade de oferecer essas formas de pagamento diferenciadas para o Natal.

Trabalhe o pós-venda

Uma das melhores maneiras de aumentar as vendas de Natal é vender para quem já é seu cliente e já conhece a sua empresa. Para isso, é claro, você precisa ter os dados dos seus clientes.

Por isso, o cadastro é super importante. Neste documento é importante conter dados, como nome, telefone, e-mail, data de aniversário e produtos que ele costuma comprar com frequência. Para fins de organização e armazenamento desses dados, um sistema de gestão deve ser considerado.

Outro fator imprescindível é a comunicação com o cliente. Mantenha contato por telefone, e-mail ou WhatsApp, conte as novidades da loja, fale o que sua empresa está preparando para o Natal e as ofertas que ele poderá encontrar. Essas são boas formas de cultivar o relacionamento, engajar o cliente e garantir vendas futuras.

Por Marcelle Martins

Saiba Mais

Como o Pix vai funcionar no varejo físico?

As novas tecnologias estimulam o sistema financeiro a repensar suas operações, principalmente devido ao aumento da demanda dos clientes por soluções de pagamentos mais simples, rápidas, seguras e econômicas. Já está rodando no mercado o novo meio de pagamentos do Banco Central, que vem com a promessa de facilitar as transações e movimentar o fluxo de caixa, pois quem tem um varejo físico estava acostumado a esperar alguns dias para receber pagamentos com boleto, cartão. Com a chegada do Pix, entretanto, empreendedores vão poder receber em tempo real, direto na conta, em qualquer horário e dia da semana.

Pix não é um app nem é exclusivo de uma instituição específica. Centenas de instituições do país vão oferecer o novo meio de pagamentos dentro dos canais que os clientes já estão acostumados a usar, como o app.

As vantagens não se aplicam somente ao mundo dos negócios, pessoas – jurídicas e físicas – vão poder enviar e receber dinheiro por meio do Pix, ganhando mais uma opção além de TED, DOC, boleto e cartão, por exemplo.

Para o Varejo físico as principais vantagens é são as facilidades que o novo modelo traz no controle do fluxo de caixa com a entrada de dinheiro em tempo real na conta. E, com pagamentos diretos entre pagador e recebedor – sem intermediários, as instituições bancárias estudam custos menores das transações do que de outros meios de pagamento.

Para começar a usar o Pix a empresa não precisa se cadastrar para usar– ele está disponível automaticamente para todos os clientes das instituições participantes do Pix. É recomendado, entretanto, cadastrar as chaves Pix.

As chaves são como apelidos utilizados para identificar a conta de uma empresa ou pessoa nas transações do Pix. Em vez de fornecer número da conta, agência para receber uma transação, por exemplo, a empresa só vai precisar informar sua chave – que poderá ser o CNPJ e/ou número de telefone celular e/ou e-mail ou chave aleatória – um código formado por números, letras e símbolos gerado aleatoriamente no app da instituição financeira para identificar a conta.

Registrar todas as chaves em uma mesma conta, entretanto, é uma maneira de controlar quais chaves você vai compartilhar com cada pagador, garantindo maior controle dos seus dados – além de, claro, concentrar e controlar entradas e saídas em uma única conta.

Ter o Pix como forma de pagamento é mais um meio de aumentar suas vendas e os rendimentos levam segundos para serem creditado na conta do recebedor.  Não fique de fora!

Por, Andre Luis Soares Pereira

Saiba Mais

Dicas de Gestão Empresarial

Princípios de trabalho – Segundo Ray  Dalio Raymond Thomas Dalio é um bilionário americano,  nascido em 1949, em Nova Iorque, gerente de fundos de hedge e filantropo que atua como co-diretor de investimentos da Bridgewater Associates desde 1985. Ele fundou a Bridgewater em 1975, logo após ter se formado na Harvard Business School.

Ao longo de toda sua trajetória, conduziu sua empresa de forma única e inovadora, destacou-se como um dos maiores consultores de toda a história,  tanto para a iniciativa privada como para o governo Norte Americano. Toda essa história está detalhadamente descrita em seu livro “Princípios”,  no qual conta toda a sua trajetória, no primeiro capítulo. Ele divide os princípios em duas categorias: vida e trabalho.

Aqui, vamos elencar os princípios de trabalho por ele descritos. Estes pontos conduziram toda a sua carreira e foram fundamentais para o sucesso de sua empresa, pois estes princípios faziam e fazem parte do dia a dia de todos que nesta atuam. Sendo Ray Dalio, princípios são verdades fundamentais que servem como base para um comportamento que proverá o que você deseja.

Vamos aos princípios:

1. Confie na sinceridade e na transparência radicais.

Seja íntegro e cobre o mesmo dos outros, ninguém deve temer falar a verdade.

2. Cultive trabalho e relações relevantes.

Seja leal à missão da empresa, todos devem se preocupar com o outro, valorize pessoas honradas e capazes, pois elas serão generosas com você.

3. Crie uma cultura em que seja ok cometer erros e inaceitável não aprender com eles.

Dor + reflexão = progresso

4. Entre em sincronia e se mantenha assim.

Seja assertivo e tenha a mente aberta.

5. Pondere seu processo decisório pela credibilidade.

Crie um conselho de tomada de decisões e envolva as melhores pessoas para diferentes tópicos.

6. Reconheça como superar desacordos.

Os princípios devem ser vistos como leis, por isso, mesmo aqueles que discordarem devem acatar e seguir de acordo com o decidido.

7. Quem é mais importante do que O quê.

Contrate pessoas melhores do que você, seja o maestro e tenha indivíduos responsáveis para cada área.

8. Contrate bem: contratações ruins são superprejudiciais.

Coloque a pessoa certa para cada projeto. Contrate pessoas com valores que você queira em sua vida.

9. Treine, teste, avalie e filtre as pessoas constantemente.

Entenda perfeitamente se aquela pessoa está certa para aquele projeto, avalie constantemente e treine, mas não perca o seu tempo e o dela se essa relação não acontecer.

10. Opere bem a máquina para atingir os seus objetivos.

Grandes gestores orquestram,  não tocam instrumentos, mas guiam para que todos toquem maravilhosamente bem.

11. Identifique e não tolere problemas.

Perceber uma fraqueza não é o mesmo que aceitá-la, é o passo inicial rumo à superação do problema.

12. Diagnostique os problemas para chegar às causas raízes.

Não veja o erro como um incidente isolado, investigue até encontrar a causa raiz; personifique quem causou o erro; verifique se a causa do problema raiz é isolada ou um padrão.

13. Aperfeiçoe sua máquina para superar problemas.

Construa a sua organização em torno de objetivos e não de tarefas.

14. Faça o que você se propôs a fazer.

Trabalhe por objetivos empolgantes, faça listas, reserve tempo para descanso e renovação,  festeje.

15. Utilize ferramentas e protocolos para formatar a execução do trabalho.

Ter os princípios sistematizados e embutidos em ferramentas é valioso para uma meritocracia de ideias.

16. Não negligencie a governança.

Todas as organizações precisam ter freios e contra-freios,  em uma meritocracia de ideias um único CEO não é  tão bom quanto um grupo de líderes.

Por Umberto Papera Filho, sócio-diretor do GSPP

Saiba Mais

Black Friday 2020, Você Tá Preparado?

A grande pauta dos últimos meses, desde que a pandemia chegou, é o quanto o Covid impactou diretamente na economia, hábitos e atividades de grande parte da população mundial. Com novos modos de consumir, se relacionar e basicamente viver o ambiente virtual ganhou um grande destaque nesse período, adquirir produtos e serviços online foi uma alternativa para boa parte da população.

O cenário do e-commerce nacional e mundial, deteve um expressivo crescimento durante esse ano, em decorrência do isolamento social, logo muitos negócios acompanharam tal pico visando conquistar a entrada de novos consumidores, usuários que viram no âmbito virtual a melhor forma para continuar consumindo, desde de produtos de necessidade básica, a outros por desejo, e até mesmo contratar serviços práticos e essenciais.

No mês de novembro o varejo, vivencia uma de suas principais datas promocionais, o Black Friday. Empreendedores de múltiplos setores, estão visando esta data para impulsionar negócios e conquistar metas e objetivos, obtendo maior alcance de usuários, vendas e consequentemente faturamento.

Preparamos alguns passos para chegar com tudo no dia 27 de novembro!   

Planejamento

Este é um ponto muito importante para o aproveitamento de todo potencial que essa data promocional pode proporcionar ao seu negócio.

Neste caso, seu planejamento deve direcionar todas as estratégias da loja desde o desconto até a entrega do produto/serviço ao consumidor. Alguns pontos que devem ser pensados nessa fase:

– Haverá categorias selecionados ou a loja toda entrará em promoção? 

– Quando será o início da sua Black Friday? Algumas operações já estão no clima o mês inteiro, outras começam na quinta a noite…

– Como será sua comunicação de marketing? O PDV está sinalizado, no ambiente digital vai focar na persona ou abrirá o leque para tentar atingir mais clientes? 

– Seus funcionários estão preparados para uma alta de produtos a serem separados, embalados e despachados?

Fornecedores

Normalmente, uma das partes mais delicadas do processo. 

Sempre recomendamos utilizar seus fornecedores mas comprometidos, organizados, flexíveis, enfim parceiros de verdade.

Pensando em negócios, claro que não podemos deixar de recomendar tente negociar e extrair desconto do fornecedor. E isso pode ser feito de várias formas, desde a realização de um pedido maior, até uma porcentagem das vendas daqueles produtos. 

Diretamente ligado aos fornecedores temos o ESTOQUE.

Não adianta comprar um estoque 20x maior do que de costume só para ter mais desconto, é importante manter os pés no chão.

E jamais, venda produtos que você não tem no estoque. Mesmo que seu fornecedor seja confiável e entregue rápido, o risco é alto  e pode trazer danos a reputação da marca, além de reduzir a zero a chance de fidelização dos clientes. 

Comunicação

As ações precisam ser explicitas, o consumidor deve sentir que está sendo impactado com mais descontos, promoções e conteúdo do que o normal. É necessário, trabalhar tanto o ambiente físico (o ponto de venda) – caso exista, quanto o ambiente digital, com atenção para o  design, banners e comunicações veiculadas internamente no seu site. Vale um maior investimento de impulsionamento de marketing e publicidade em grandes plataformas.

Ah, claro utilize seus canais de contato com cliente para anunciar suas promoções ou esclarecer possíveis dúvidas de clientes que mandem mensagem durante o período. Fique de olho para não demorar para responder e não perder nenhuma venda!

Esteja com parte do time disponível 

É importante ter time motivado e disponível. Garanta que se precisar de socorro para modificar um anúncio ou o banner principal da loja, alguém esteja disponível para lhe auxiliar. Sem falar no atendimento presencial, que precisa manter a qualidade com mais velocidade

Bom, esse é um resumo dos principais pilares a serem pensados para aproveitar O Black Friday e aumentar o faturamento. Temos certeza que você escolherá o melhor caminho para seu negócio! 

Por Marcelle Martins, Head de Marketing

Saiba Mais

O emprego está, definitivamente, com os dias contados.

Os empregos estão definitivamente com os dias contados. Não será hoje nem amanhã, mas em um futuro próximo o conceito do que hoje chamamos de emprego tendem a sucumbir, muito em decorrência da crise econômica, política e moral que vem devastando o nosso país e o mundo, além da pandemia que se instaurou neste ano.

Em algum momento da vida você já ouviu falar em empregabilidade? Pois bem, este termo está sendo cada vez mais questionado e aplicado nas empresas de pequeno, médio e grande porte. Isto vem ocorrendo pelo fato de que as mudanças em todos os sentidos e setores têm exigido competências e habilidades sem precedentes. Mesmo em atividades tradicionais e aparentemente sem muitos desafios, a realidade começa a mudar e sinalizar para o fim do emprego como conhecemos.

A estabilidade definitivamente acabou.  Poucos negócios são certos e verdadeiros. Os riscos são enormes em todos os setores. Nos dias atuais manter-se empregável é um dos grandes desafios dos profissionais que almejam diferenciação.

Com tudo isso, percebemos que ainda há espaços para os incompetentes, encostados, preguiçosos e pouco produtivos. Em que lugar?

Nas empresas que ainda não despertaram para a urgência do senso de equipe, acostumadas a fórmulas prontas, que se recusam a qualificar e aprimorar seus colaboradores, que não avaliam produtividade e contribuição para a causa da empresa ou ainda nas que tem em seu quadro os “deuses”, sim, os “deuses”. Aqueles que sabem de tudo, que acreditam que a sua visão de mundo é a melhor, que fazem vista grossa para a própria incompetência, aqueles que não se dignam a tirar os olhos do próprio umbigo e também para aquelas empresas que ainda acham que podem locupletar-se de benefícios de terceiros.

Para se ter uma noção da urgência de trabalhar com o conceito de empregabilidade, basta perceber que o mundo virtual atropelou o dia-a-dia das empresas, e isto exige novas competências. A força bruta está sendo substituída pela criatividade, os conflitos vêm dando lugar às negociações e o medo ou métodos punitivos que assombram as pessoas vêm sendo trocado pela motivação.

Esta era maravilhosa, em que o ser vem antes do ter está finalmente tomando corpo , no entanto, da mesma maneira vem exigindo mais e excluindo de forma acintosa e contundente aqueles que não estão buscando adequação.

O individualismo vem perdendo espaço, as equipes de uma única estrela estão deixando de ganhar campeonatos, afinal, por melhor que você ou seu departamento sejam, existe sem sombra de dúvidas a interdependência e inter-relacionamento com outros setores, com outros departamentos.

No entanto, existe um fato alarmante, a maioria dos profissionais está obsoleto ou possui um tempo de adequação bastante reduzido. Alguns fatores exercem maior pressão ao nosso cotidiano, entre eles pode-se destacar: a tecnologia que tanto facilita e melhora nossas vidas, mas que em contrapartida nos impõe a necessidade de rápida adequação. Veja o exemplo dos bancos, o quanto evoluíram em termos de tecnologia tanto hard (máquinas e equipamentos) quanto soft (transferências eletrônicas, serviços inteligentes). Outro exemplo de como a tecnologia vem influenciando nossas vidas e por consequência nossa capacidade de empregabilidade são as aplicações e opções que a internet nos oferece.

Mas não é somente a tecnologia que influencia nossa capacidade de adequação ao mercado, profissões como por exemplo o antigo contador vem dando lugar a um gestor de informações, que pode atuar como um “termômetro” das empresas. O frentista de um posto de gasolina hoje deve ter noções de mecânica, atendimento ao consumidor, localização de pontos importantes da cidade, entendimento do senso de pressa e urgência do cliente. As secretárias, seguranças e boys são hoje uma espécie de cartão de visita das empresas, precisam ter informações a respeito do seu funcionamento, afinal em geral são as primeiras pessoas a terem contato com os clientes. Os executivos comerciais precisam estar conectados com o que de novo existe na profissão, dos preços, prazos, tipos de produtos e promoções não somente da empresa mas dos principais concorrentes, e mais, devem possuir um canal de comunicação com os seus gerentes para repassar informações em tempo hábil para que se possa tomar decisões de adequação ao mercado, principalmente em relação às ações dos concorrentes ou problemas e necessidades dos clientes.

O conceito de empregabilidade está intimamente ligado com a capacidade de gerir informações, com a capacidade de tornar dados em ações contundentes. O momento que o mundo está atravessando e que se  Deus quiser perto do final, aliada a grande quantidade de novos produtos lançados quase que diariamente e ainda o acirramento mais contundente da concorrência, produziu como consequência o decréscimo das margens de lucro , pois os consumidores além de estarem com parcos recursos para o consumo, também se tornaram mais exigentes ao longo do tempo. Com os consumidores mais informados e menos tolerantes a erros, deslizes custam caro, ineficiência pode significar a perda definitiva dos clientes reais e potenciais.

Estes fatos vêm impondo a urgência de meios e soluções para cortes de custo e busca de lucratividade ao tempo que exige a criação de laços de relacionamento com os consumidores.

Quando ocorre uma revolução, seja ela tecnológica ou de qualquer outra ordem – e não me refiro necessariamente a aquelas estrondosas e vistas a olhos nus, na maioria das vezes é sutil e quase imperceptível – isto muda toda a lógica do jogo.

Em função disso é que o conceito de empregabilidade vem ganhando corpo, afinal hoje você pode ser um e ter diferencial, amanhã, quase que por “forças ocultas” somos mais um em um milhão, e nos vemos obrigados a correr para tentar reconquistar o espaço perdido. Luta esta muitas vezes ingrata e inglória, no qual o resultado pode ser um fruto amargo e espinhoso de deglutir: o desemprego. Adianta reclamar? Adianta praguejar?

A mesma coisa acontece nas empresas. Preste atenção em alguns detalhes que são fundamentais para o ganho de empregabilidade:

1. Saia da zona de conforto.

2. Estude, estude, estude. Leia, leia, leia. Só quem se dedica a buscar e aplicar novos conhecimentos é que pode se dar ao luxo de dizer que está fazendo algo por si.

3. Valorize, festeje cada vitória. Valorize mais ainda cada derrota, além de sequelas, elas também nos deixam valiosos ensinamentos.

4. Dê atenção a sua família e aos amigos. Reserve-se o direito de ter um dia bom, um dia de tranquilidade, e saiba aproveitá-lo.

5. Veja o mundo com outros olhos, mas procure levantar a cabeça e ver o que acontece ao redor, não necessariamente apenas em sua área de atividade.

6. Busque uma atividade de lazer, tenha um hobby saudável e produtivo. Que venha a te fazer uma pessoa melhor.

7. Trabalhe por prazer e não por obrigação. Tenha o objetivo de construir algo em sua vida, para poder morrer com a certeza de que não foi mais um entre tantos.

Lembre-se: Sucesso e fracasso são uma questão de hábito. E segundo um ditado chinês “o plantio é opcional, mas a colheita é obrigatória”.

Por: André Luis Soares Pereira, sócio-fundador do GSPP.

Saiba Mais

Graviola

Sobre 4 rodas o Graviola surgiu ou melhor, antes dele surgir em forma de foodtruck eles já tinham uma semente, os jantares na casa da Manu e do Abner. Entre almoços e jantares na floresta, os donos da casa só revelavam o menu após terem terminado o prato e sempre era a mesma indagação: ‘Como é inhame se é tão bom?’ ou ‘eu odeio batata doce e amei isso aqui’. O Graviola nasceu dali.

O casal amante de viagens foi cada vez mais provando novos sabores pelo mundo e adaptando em uma nova receita aqui e outra ali, uma pimenta da Jamaica, um tempero da Turquia, a vida de Bali.
Após 2 anos em formato de truck e muito animados, eles decidiram que era hora de ter uma casa maior e receber mais amigos.

A Casa Graviola surgiu, assim como faziam na mesa de jantar, no food truck e agora na casa, servir amor em forma de prato!

Com o GSPP: Formatação e Expansão da Franquia

Saiba Mais

Curiosidades sobre a história do comércio

Com o início da atividade da agricultura a civilização em modelo de sociedade passa a existir, pois deixamos de ser nômades para poder cuidar das nossas plantações. Com isso, a produção de alimentos passa ser maior do que a necessidade de consumo do grupo, e estes começaram a trocar os alimentos e produtos excedentes que não iriam consumir por produtos que não produziam e necessitavam com outros grupos, surgindo assim o escambo.

Com o tempo essas trocas foram se difundindo e aumentando entre os povos. No período da Idade dos Metais objetos metálicos passaram a ser valorizados e usados nas trocas, e nesta época surgem o que hoje chamamos de moeda, claro que não com o peso e tamanho que conhecemos hoje.

O início do comércio entre diferentes povos se dá com os fenícios que não possuíam um solo fértil e não conseguiam praticar a agricultura,  e acabaram desenvolvendo técnicas para a construção de navios, que iam até outros povos para comercializar tecidos e cedro, madeira típica de sua região.

A partir do século XI o comércio na Europa cresceu, e as feiras medievais reuniam mercadores de várias partes do mundo, a moeda passou a ser o meio mais usado para adquirir um produto nessas feiras. Como vinham comerciantes de diversas partes do mundo, as moedas eram diferentes, surgindo os cambistas, que as trocavam. Eles colocavam as moedas em cima de um banquinho de madeira para examina-las, ficando conhecidos como banqueiros, e logo estes começaram a fazer empréstimos à juros e a guardar dinheiro.

Com o crescimento da população, as pessoas passaram a deixar os feudos e migram para as cidades, conhecidas como burgos. Ali haviam pequenos mercados, onde os comerciantes expunham e trocavam mercadorias. Com o tempo estes enriqueceram, surgindo assim a burguesia que mais tarde no século XVIII financiou a Revolução Industrial.

Desde o início das atividades comerciais a dificuldade de produção ou a raridade desta seriam fatores essenciais para que o preço da mercadoria fosse determinado. Com o desenvolvimento do comércio percebemos que não somente o custo era considerado,  e o transporte, impostos, salários  e outros gastos passaram a serem incorporados, aumentando assim a complexidade da atividade comercial entre os envolvidos, e, no mundo atual percebemos que a compreensão das atividades comerciais engloba um universo cada vez maior de fatores e variantes.

Em 1995 foi criada a Organização Mundial do Comércio (OMC), com a finalidade de assistir e orientar as práticas comerciais internacionais.

Nos dias atuais o comércio tomou outras proporções,  sendo ele unilateral,  bilateral, interno, externo, e, agora o universo digital que vem redesenhando a relação de compra e venda entre as partes.

Uma das evoluções das práticas comerciais que acabou se tornando um modelo muito utilizado mundialmente é o mercado do Franchising que consiste na troca de expertise e know-how por parte do franqueador (detentor da marca) e do franqueado que entra com o trabalho e capital para implantação da unidade franqueada.

Se você quer saber mais sobre esse modelo de negócio acesse o nosso blog e encontre diversos posts sobre o tema ou entre em contato com um de nossos especialistas.

Por: Umberto Papera Filho, sócio-diretor do GSPP

Saiba Mais

Prepara-se para a Lei de Proteção de Dados

NINGUÉM SABE TANTO SOBRE VOCÊ QUANTO O SEU TELEFONE CELULAR. Se existe um lugar em que o ser humano é 100% verdadeiro, transparente e autêntico, esse lugar é a internet. O seu histórico de buscas sabe dizer exatamente quais seus anseios e dúvidas; seu aplicativo de corridas sabe te localizar com precisão; os serviços de delivery conseguem identificar perfeitamente suas preferências gastronômicas.  

A afirmação de que os dados são o petróleo do século XXI não é propaganda enganosa. Assistimos, principalmente nas últimas duas décadas, a invasão da tecnologia em todas as esferas da vida cotidiana – fato que propiciou o advento de uma nova dinâmica econômica organizacional. Uma vez dotadas da posse de dados pessoais, empresas tem todo o acervo necessário não apenas para prever o comportamento do consumidor, mas também moldá-lo à sua vontade.

Nesse sentido, surgem algumas indagações. A coleta de dados pessoais tem um extremo valor para as marcas – mas como o fazer sem ferir os princípios da privacidade e autonomia do cliente? No mais, é de interesse do consumidor ter sua experiência aprimorada através da prestação de um serviço mais personalizado – mas a que custo?

Foi nesse contexto que se deu a promulgação da Lei 13.709, de 14 de agosto de 2018, mais conhecida como a Lei Geral de Proteção de dados (LGPD). A Lei está prestes a entrar em vigor para tratar da utilização de dados nas esferas pessoais e comerciais. Se propondo a proteger a privacidade dos consumidores sem restringir a sua liberdade digital, a LGPD traz uma série de regras bem delimitadas sobre o tratamento dos dados transmitidos e armazenados. Empresas e marcas terão de se adequar a essa nova realidade legal, que não veio para interromper, mas apenas regular, a coleta e tratamento de informações pessoais – criando um espaço dinâmico e vantajoso para os agentes econômicos e de transparência para o consumidor.

E o que muda, efetivamente? Se você, empreendedor, se utiliza de plataformas digitais para comercializar seu produto ou serviço é preciso ter atenção à exigência de criação (ou reformulação) de formulários de aceite de termos de privacidade e solicitações de dados dos clientes. A forma como eles serão armazenados, tratados e para que fins serão utilizados dentro da plataforma digital devem ser conhecidos pelo consumidor – que devem também ser informados de seus direitos quanto à proteção de seus dados. No mais, no que tange ao tratamento interno de dados, esse deve ter um propósito legítimo e específico – explícitos e informados ao titular -, seguindo os princípios da adequação, da necessidade, do livre acesso, da transparência, dentre tantos outros enumerados no art. 6º da LGDP. Deve ser verificado também como serão descartadas essas informações, havendo de ser informado ao cliente o momento do descarte e a forma pela qual será feito. Os referidos dados também terão de ser excluídos no momento de solicitação do consumidor – não podendo, em hipótese alguma, ser utilizados sem a sua autorização expressa. Resta evidente que esse processo de adaptação deve ser incorporado na empresa como um todo; mas uma atenção especial deve ser concedida aos sites e aplicativos do negócio.

A previsão de aplicabilidade das sanções em caso de descumprimento das novas regras é apenas para Agosto de 2021, de maneira a dar um espaço razoável para o enquadramento das marcas aos procedimentos previstos em Lei. Ter um sistema bem adequado à LGDP pode ser desafiador – mas é essencial não apenas para evitar possíveis multas, como também para aprimorar a relação com o consumidor.

Se interessou e quer saber mais? Fale com o nosso time especialistas, aqui temos a solução certa para o seu negócio.

Ana Gabriela Graça Couto, Equipe Jurídica GSPP

Saiba Mais

A busca por novos caminhos para driblar a crise do coronavírus

Umberto Papera Filho, sócio-diretor do GSPP, falou sobre novos caminhos para driblar a crise do coronavírus e de como a nossa empresa tem percebido um aumento no número de franquias formatadas.

Saiba Mais

O mercado de Franquia Como Oportunidade de Investimento

O mundo e, consequentemente, o Brasil, convivem, na atual conjuntura, com um dos maiores e mais sérios problemas já enfrentados, que é a pandemia. Além de causar diversas mortes e deficiências crônicas em um número elevadíssimo de pessoas, a pandemia devastou por completo a economia de diversas nações.

Assim, não só em decorrência de mais uma grave crise econômica mundial gerada por essa situação, o Brasil em especial, convive também com seus problemas cotidianos na política, na moral e na ética. Logicamente, os problemas sociais e econômicos do nosso país não advêm só da pandemia. 

Com o mercado de trabalho cada vez mais restrito, seja para os jovens, seja para os mais velhos, com certeza, o empreendedorismo ganha, cada dia, mais força.  Desta forma, podemos dizer que a “moda é empreender”.

Dentre os diversos modelos para se expandir um negócio, a franquia é uma das formas mais seguras de crescimento de um empreendimento. Segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF), o faturamento do setor em 2019 foi de aproximadamente R$ 187 bilhões, um crescimento de 6,8 % em relação a 2018.  

Com esse crescimento, as oportunidades surgem em diversos setores da economia. Como alguns exemplos, podemos citar o segmento pet, com um mercado estrondoso de pessoas que possuem animais em suas residências, originando um consumo de produtos e acessórios para os seus “bichinhos”. 

Quando se fala da “terceira idade” ou da “melhor idade”, ocasionada pelo envelhecimento da população, os artigos relacionados a este público específico estão em alta. Na saúde (vitaminas e remédios profiláticos), nas academias voltadas exclusivamente para eles, nas casas de repouso especializadas, dentre outros produtos.

Ao discorrer da igualdade de gêneros e condições, o público LGBT, de uma maneira geral, apresenta franco crescimento, com um mercado praticamente inexplorado, demonstrando um potencial de expansão absurdo. Esse tema possui fontes inesgotáveis de novos empreendimentos e negócios.

Em hipótese alguma, não se pode deixar de citar os produtos ligados ao bem-estar em geral. Produtos com uma pegada sustentável, alimentação com uma vertente natural e, principalmente, o mundo fitness, despontam como setores que terão um mercado cada vez mais consistente e fiel.

A Pandemia fez com que as marcas repensassem nos seus negócios para conseguir manter as suas sustentabilidades. Como exemplo, no setor de alimentação, diversas franquias implementaram o modelo dark kitchen.

Outro ponto focal que chegou para ficar e foi muito acelerado pela pandemia foi a união do físico com o digital, fortalecendo os negócios como um todo e trazendo uma facilidade para o consumidor final.

Em termos gerais, certificamo-nos que o mercado de franquia é e será sempre uma excelente oportunidade para quem deseja entrar no mundo dos negócios como empreendedor, pautado na premissa de menor risco.

Se você se interessou pelo o conteúdo e quer saber mais dos benefícios de se investir no mercado de franquia, entre em contato com um de nossos especialistas.

Aqui no GSPP, nós temos a franquia certa para você!

Por: André Luis Soares Pereira, sócio-fundador do GSPP.

Saiba Mais

Evoluindo a sua empresa com os princípios do ikigai

Todos estão muito fragilizados por tudo o que aconteceu até agora.

Apesar dos riscos eminentes e de todas as condições de restrições determinadas pelas autoridades governamentais, o consumidor aos poucos voltará as suas atividades normais. Entretanto, para que este consumidor retorne aos pontos de venda, será de vital importância que ele se sinta seguro em frequentar estes locais.

Os protocolos de distanciamento social, as medidas preventivas de higienização, os cuidados com a saúde dos colaboradores e clientes e a readequação dos pontos de venda passarão necessariamente a fazer parte da experiência de compra.

Além disso tudo, as marcas que não tiverem; terão que desenvolver um autoconhecimento para encontrar o seu propósito e, também, apresentar um ineditismo único na experiência do serviço ou da compra para reconquistar a confiança do cliente.

Para as empresas que desejam evoluir na construção do propósito, uma das sugestões praticadas pelo mercado é a utilização da ferramenta de autoconhecimento japonesa IKIGAI.

O conceito principal do ikigai na aplicação empresarial é a descoberta de a razão da empresa existir. Trabalhando a partir deste conceito, certamente a empresa adquirirá uma postura mais saudável em todas as áreas.

Com isso, consequentemente os colaboradores também se sentirão mais engajados e entusiasmados nas tarefas do dia a dia e os clientes, por sua vez, estarão propensos a estabelecer relações mais profundas e longas com a marca.

Em decorrência da pandemia que devastou o mercado e embora qualquer discussão e previsão no momento seja prematura, uma coisa é certa, as marcas estão tendo que desenvolver e trabalhar em sobremaneira para reconquistar a confiança do consumidor.

Ao praticar os fundamentos do ikigai, 4 perguntas pertinentes a contribuição e realização pessoal são primordiais:
– o que amo fazer;
– o que posso fazer bem;
– o que posso ser pago para fazer;
– o que o mundo precisa.

A partir destes questionamentos é construída a mandala de ikigai, sendo ela composta por quatro círculos que se sobrepõem:

No ponto central, encontra-se o próprio ikigai – “razão de viver”.


Pelos princípios do ikigai, pode-se dizer que o propósito é a ação de atitude, entusiasmo, movimento e vibração intensas e transformadoras que podem contribuir para um mundo melhor. Ele cuida da harmonia entre Paixão, Missão, Profissão e Vocação.


De posse de uma mandala ikigai, fica mais fácil refletir e desenvolver, a missão, os valores, a essência e o propósito da marca.

Com os colaboradores, consumidores, fornecedores e amigos da marca percebendo a força do seu propósito, certamente a retomada de confiança se dará de forma mais amena e tranquila.

Lembre-se sempre: Sua Atitude Transforma.

Por: André Luis Soares Pereira, sócio-fundador do GSPP

Saiba Mais

Pesquisa GEM aponta tendência

Em meio ao aumento do desemprego, o empreendedorismo deve avançar como nunca antes. Em 2020, o Brasil deve atingir o maior patamar de empreendedores iniciais dos últimos 20 anos, com aproximadamente 25% da população adulta envolvida em um novo negócio, indica a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada com o apoio do Sebrae.

A Associação Brasileira de Franchising (ABF) aponta que a busca por franquias home officee cresceu 23,8% em junho, indicando que este é um modelo de negócio que deve avançar neste período….Já André Pereira, sócio-fundador do Grupo Soares Pereira & Papera (GSPP) e membro da comissão de fornecedores da Associação Brasileira de Franchisinh (ABF), afirma que o candidato a uma franquia precisa estar atento a alguns fatores antes de empreender, como ter conhecimento da operação e estar disposto a trocar o dia a dia do negócio. 

“Não adianta você ter um capital para investir no negócio sem a menor afinidade com ele. Trabalhar com o que não gosta é muito complicado.” Ele também orienta a avaliar a marca e sua operação para entender a sua situação no mercado.

Saiba Mais

Redes de alimentação se modernizam

O setor de alimentação sofreu muito com o fechamento das lojas físicas e precisou se reinventar. As redes que não tinham o delivery no centro da estratégia sofreram um baque no faturamento. 

Para tentar uma recuperação, grandes franqueadoras criaram novos modelos de negócio, observa Umberto Papera Filho, sócio-diretor da GSPP, grupo formatador de franquias por trás do formato de cozinhas franqueadas para entrega adotado pela tradicional doceria carioca Lecadô

Saiba Mais

Paineiras Café

O Paineiras é uma cafeteria gourmet de alma carioca.

Inspirado nas belezas da mata atlântica, oferece um ambiente leve onde você pode desfrutar os melhores cafés produzidos no Brasil, acompanhado de uma variedade de produtos de padaria e confeitaria de produção própria.

Com o GSPP: Formatação e Expansão da Franquia

Saiba Mais

Será que a crise do varejo é só em função da Pandemia?

Por: André Luis Soares Pereira, sócio-fundador do GSPP

Para não voltar muito no passado vamos falar de 2017 que só nos Estados Unidos cerca de inúmeras marcas fecharam lojas ou encerraram suas atividades. Redes como Macy’s, Sears, JCPenney, Kmart e Abercrombie reduziram seus pontos de venda e outras, como The Limited e American Apparel simplesmente deixaram o mercado. 

Os problemas, na época, já não se limitavam ao fechamento das lojas. Uma pesquisa desenvolvida e publicada pelo Wall Street Journal, na ocasião, apontava também para uma queda vertiginosa no número de visitas dos consumidores ao varejo físico americano. Os dados mostravam que a quantidade de visitas de clientes a lojas havia caído de 34,3 bilhões em 2010 para 14,2 bilhões em 2016 nos Estados Unidos. Um baque aproximado de 20 bilhões de visitas ao varejo em apenas 6 anos. No mesmo período, a frequência de visitas a lojas virtuais cresceu, demonstrando nitidamente um eventual declínio do varejo físico. 

Da mesma forma, os shopping centers, foram bastante afetados em decorrência desta metamorfose. Em primeiro lugar precisavam lidar com a queda no fluxo de clientes. Depois foram forçados a buscar novos operadores para as lojas vagas.

Engraçado perceber que com toda a forte transformação apontada naquele período, onde indagava-se a derrocada do varejo físico, importantes varejistas online começaram a investir em pontos de venda, a exemplo da gigante Amazon.

Nítido está que o problema vai mais além da pandemia.

Dando um pulo para os tempos atuais onde a pandemia devastou por completo vários setores, nota-se que as lojas físicas e os shoppings centers não morrerão, longe disso. Sem dúvida alguma como em outras épocas e crises terão necessariamente que passar por profundas transformações, muito em função do comportamento dos consumidores.

As pessoas ainda estão fragilizadas e com receio de se exporem, mas gradativamente e tomando as precauções recomendadas voltarão ao convívio natural.

A ida aos shoppings e as lojas fazem parte do cotidiano de muitas pessoas. Entretanto, essas visitas serão mais direcionadas e objetivas. Elas irão em busca de experiências e relacionamento, dando prioridade às marcas capazes de demonstrar seus propósitos. Neste novo horizonte, como já percebido anteriormente por algumas marcas, a loja não é apenas ponto de venda e sim ponto de tudo: informação, relacionamento, customização, diversão – e até de venda. Claro que tudo isso neste primeiro momento ao tempo do consumidor que provavelmente terá como objetivo principal a rapidez no atendimento para evitar permanecer por muito tempo naquele ambiente.

A venda é consequência. A marca que não conseguir acompanhar esse movimento, ficará para trás ou simplesmente não sobreviverá. Aliado a isso tudo, elas terão necessariamente que desenvolver o seu digital, seja e-commerce, seja delivery.

O time da loja deve ser montado por pessoas acima de tudo que tenham sensibilidade, apaixonados pelo que vendem, conectados emocionalmente à marca que representam e comprometidos em desenvolver relacionamentos com os clientes.

Em se tratando dos shopping centers, a questão da experiência e relacionamento também são vitais. Quando chegamos as lojas satélites desses empreendimentos o problema aumenta e provavelmente se o shopping não der o apoio necessário (apoio não significa redução de aluguel) esses pequenos lojistas enfrentarão grandes dificuldades na transição vivenciada no momento pelo varejo. Estima-se que 70% dos lojistas em shopping centers no Brasil possua apenas uma loja. Boa parte deles carece de informação, recursos para investir e visão estratégica sobre como trilhar os novos rumos. Literalmente como diz o ditado popular “vendem o almoço para pagar o jantar”. Assim, como esperar que eles invistam em propósito, experiências e em funcionários capazes de representar o papel de embaixadores da marca?

Os programas até então ofertados pela grande maioria dos empreendimentos comerciais são insuficientes para preparar os seus lojistas frente à profunda transformação ocorrida e acelerada neste momento de pandemia no setor varejista. Planejar, Desenvolver e Implantar novas soluções será essencial para apoiar esses empresários na tarefa de fazer com que frequentadores, atraídos pelos ambientes seguros e acolhedores proporcionados pelos shoppings, façam compras não planejadas nas suas lojas. Isso passa por encontros estruturados com bons operadores para compartilhar melhores práticas nacionais e internacionais, melhoria de performance da operação, orientação na condução do negócio, reconhecimento e recompensa dos melhores lojistas, plano de recuperação e eventual substituição dos que não se mostrarem dispostos a enfrentar essa difícil travessia.

Juntamente com a inevitável diversificação do tenant mix, desatar esse nó será um dos principais desafios dos shopping centers neste momento de retomada.

Assim, a conclusão efetiva do acima exposto, é que o varejo sempre enfrentou crises de diversos tamanhos, entretanto, na proporção desta pandemia, nunca. Mas as empresas que conseguirem olhar para frente, se planejar e acima de tudo ser antifrágil permanecerá com seu espaço no mercado.

As empresas têm que ser protagonistas de suas histórias e acima de tudo devem ter coragem para superar o momento. O medo não pode em hipótese alguma tirar você do foco do seu negócio.

Vamos em frente.

Com o GSSP, você e sua empresa podem mais. Entre em contato com o nosso time de especialistas, temos a solução certa para o seu negócio!

Saiba Mais

Como saber se é a hora de expandir? Por que franquias?

Você está pronto para expandir a sua marca? Acredita que sim? Então, vamos juntos desenvolver alguns pontos que são relevantes na etapa de crescimento.

Primeiramente, é preciso entender se o seu negócio já possui clientes recorrentes, isto é, se ele e passível de lealdade dos consumidores aos seus produtos ou serviços.  Pois, se ainda estiver no estágio de buscar os clientes ao invés de eles virem naturalmente até você, talvez ainda não seja o momento de crescer.

Costuma ouvir pedidos de clientes por outras unidades do seu estabelecimento em outras localidades? Esse é um ótimo alerta de que a sua empresa pode dar seu primeiro passo rumo ao crescimento. Neste momento, você precisa começar a se questionar se sua operação é facilmente replicável e, se não for, pensar em como otimizar processos tornando a unidade de negócio mais viável de ser multiplicada operacionalmente.

E como está o faturamento? A sua unidade de negócio já está dando lucro? Considere deixar de fora as sazonalidades, isto é, responda a estas perguntas considerando apenas meses de baixa – que não contabilizam o faturamento em meses de Dia das Mães, Natal e etc. E pesquise também como está o crescimento do seu segmento de atuação. É extremamente importante saber as perspectivas do mercado até para construir uma defesa comercial consistente para a venda das unidades franqueadas.

Dentro deste espectro financeiro, três pilares são indispensáveis para o estudo de viabilidade financeira: (1) Volume de vendas mensal: para justificar a expansão, suas vendas mensais devem ter grande “fôlego” para que a demanda ainda seja latente e a oferta em outros PDVs sejam absorvidas naturalmente, sem muito esforço; (2) CMV baixo – Custo de Mercadorias Vendidas: vendas e faturamento altos não necessariamente são sinônimos de um resultado líquido favorável. Quanto os preços dos produtos comprados para comercialização impactam na sua margem de lucro? Se você ainda não tem essa resposta na “ponta da língua”, e não consegue dizer com precisão com que média de margem seu negócio opera, é o momento de parar e avaliar este indicador com cuidado. É possível analisar esse indicador considerando o valor unitário de um determinado produto (um a um), o percentual sobre o faturamento, em que se faz necessário considerar todos os custos fixos envolvidos, ou mesmo valor mais amplo a ser apurado a cada mês ou intervalor de tempo pré-estabelecido; e (3) CTO baixo – Custo Total de Ocupação: falamos no item anterior de margem, e para que este cálculo seja preciso é grande valia considerar os custos fixos da operação. E uma das linhas que mais incorre em um custo fixo total muito alto é o custo de operação.

Você conhece profundamente o seu consumidor? Sua marca é reconhecida dentro do segmento? E você tem uma margem boa na venda dos seus produtos? Essas são algumas das garantias de que as novas unidades performarão bem, e são informações valiosas para que possa abrir em novos pontos e permitir que os franqueados tenham retorno sobre o investimento inicial com mais rapidez.
Para analisar estes e alguns outros fatores, é válido também construir uma Análise SWOT – Strengths (forças internas), Weaknesses (fraquezas internas), Opportunities (oportunidades de mercado, ou seja, externo à empresa) e Threads (Ameaças externas, como cenário econômico, por exemplo). Talvez possa haver dificuldade principalmente para apontar os pontos fracos do seu negócio. Mas acredite, é muito importante saber se auto avaliar para construir uma estratégia consistente, fugindo de uma miopia que pode ser grave para a saúde da empresa.

As vantagens de expandir através do sistema de franchising são muitas. Mas, principalmente, a empresa franqueadora conta com os seguintes benefícios: (1) Capital Próprio de Investimento Inicial Baixo: destinado somente à Formatação do negócio para o sistema de franquias; (2) Redução de Risco: abrindo novas unidades próprias a atribulação está somente nas mãos do franqueado. Com maior número de operações rodando, o risco é diluído; (3) Gestão: gerir muitos pontos de venda próprios pode ser uma tarefa bem árdua que exige acompanhamento em tempo integral do proprietário. Já optando por expandir com franquias, é imperativa a atuação dos franqueados como donos do próprio negócio; (4) Capilaridade regionalizada: os franqueados possuem mais conhecimento sobre as características da localidade, o que facilita muito a entrada mais assertiva no mercado; (5) Poder de Barganha: a força que a empresa franqueadora vai ganhando com a expansão, ou seja, o número de unidades de franquias abertas, afetará diretamente o volume de compras dos produtos ou insumos necessários para a operação e, este volume, dimensionado para o número total de unidades, aumenta exponencialmente o poder de negociação com os principais fornecedores, até mesmo bancos e locadoras. Isto porque incrementando em volume o valor unitário dos produtos comprados vai reduzindo, e desta forma haverá impacto na margem de lucro dos produtos, trazendo assim maior rentabilidade a todos os envolvidos; e por fim (6) Visibilidade e Valor para a Marca: com a maior velocidade que a expansão por franquias possibilita, a marca ganha um espaço maior no mercado como um todo, à medida que passa a se expor mais. Toda essa visibilidade (awareness) adquirida e o reconhecimento que a marca ganha no mercado atingem diretamente o brand valuation da mesma, isto é, o valor econômico da marca.

Em matéria da revista Exame, há o dado de que para cada 10 empresas próprias que abrem sete fecham as portas, já no modelo de franquia, para cada 10 inaugurações apenas 3 se encerram. Há uma gritante diferença entre as modalidades de expansão, e certamente a questão da gestão compartilhada ajuda muito para esse saldo tão positivo. E com o crescimento acelerado pelo sistema, a marca poderá começar a ser mais criteriosa para abertura de novas unidades, cabendo escolher com mais assertividade o perfil do franqueado, os pontos comerciais exatos onde ainda acredita que a marca tenha penetração relevante. Vai chegar o momento em que será preciso dizer alguns “não” para que se tenha convicção de que o negócio esteja crescendo de forma bem saudável e coerentes com um planejamento antecipado entrada nos mercados com demanda latente. É sempre pertinente estar atento para que o perfil do franqueado esteja bem voltado para a rentabilidade do negócio. Somente a empatia pela marca, ou a afinidade com o tipo de produto ou serviço que será vendido, não são suficientes. Ter capacitação mínima para um gerir as áreas financeira, humana e administrativa são características importantes para as novas unidades performarem da forma esperada.

Segundo dados da própria ABF, de 2018 para 2019 o mercado de franquias faturou R$ 186,755 bilhões, com um crescimento de 6,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Além de um crescimento no número de unidades, passando de 153.704 para 160.958, um crescimento de 4,7% com relação ao ano anterior.

Para que evite de ter problemas de cunho financeiro, o processo de formatação da GSPP oferece consultoria para estudo de viabilidade financeira de seu negócio, propondo melhorias em custos (CMV, CTO, Custos Fixos, Variáveis e etc), através também de análise do DRE do negócio. Além disso, temos excelência para consultoria em gestão administrativa e jurídica, afastando qualquer possibilidade de problemas na formatação e comercialização das franquias da sua marca.

Saiba Mais

Conheça os serviços prestados pela GSPP Consultoria

A prioridade de nossas matérias é munir o nosso público de informações relevantes sobre o mercado de franchising. E faz parte que o público compreenda nosso expertise para falar dos mais diversos assuntos do varejo. Por isso, vamos agora explicar um pouco o que o GSPP Consultoria tem a oferecer dentro do segmento.

Primeiramente, quem é o nosso público? Quais são seus objetivos e demandas? Temos 3 perfis de públicos principais: (1) O Empreendedor: este é quem procura nossos serviços de formatação. Geralmente, possui algo em torno de 2 a 3 lojas, ou até mesmo uma única, que já performe bem e, então, ele já vê possibilidades de crescimento e expansão da marca. É hora de franquear para crescer; (2) O Franqueador: este já está em plena expansão através do sistema de franquias, porém precisa de uma equipe dedicada e especializada em comercialização de novas unidades. É o caso de grandes marcas que procuram o GSPP para abraçar a venda de novas franquias de acordo com estratégia já elaborada. Identificar o perfil de possíveis franqueados pode ser uma tarefa bem complicada e extensa, mas com nosso expertise e processo pré-estabelecidos é possível reduzir riscos, visto que tratamos todas as etapas do processo de seleção com grande poder de análise, adicionais ao nosso background na área. Além disso, oferecemos também o serviço de Gestão das Franquias, em que oferecemos todo o suporte para tomada de decisões. Especialistas no mercado, temos todo expertise para orientar em questões importantes como contratos, dirimir dúvidas, orientar as negociações, sugerir iniciativas e recomendar procedimentos para mediação de conflitos com franqueados, com o objetivo de garantir a lisura e a ética adequada ao negócio; (3) O Franqueado: empreendedores, ávidos por ter seu próprio negócio, procuram a GSPP Consultoria com o desejo de abrir uma franquia de sucesso. Porém, como visto em conteúdo já colocado aqui no site (clique aqui para ver o artigo), não é tão simples escolher o negócio que tem mais aderência com o perfil do franqueado.

Compreendidos quem são os nossos públicos, descreveremos os pontos principais de execução de nossos principais serviços de consultoria: a Formatação e a Comercialização.

Formatação:

O primeiro passo para iniciar o processo de formatação é a análise da Franqueabilidade do Negócio, em que avaliamos a saúde financeira da atividade, em todos os pontos, operacionalmente, seja por atratividade da oferta, ou até mesmo pela coerência da marca dentro do segmento (clique aqui para saber mais sobre franqueabilidade). Depois partimos para a Estruturação das Operações, fase na qual analisamos todas as esferas da operação e entregamos como produto final todo o padrão de estrutura organizacional da empresa e um mapeamento completo de todos os processos. E, então, como a consistência e continuidade dos processos é vital no sistema de franquias, desenvolvemos todos os manuais da rede, estabelecendo normas para todos os procedimentos dos franqueados. Por fim, a etapa de Capacitação da Equipe, quando treinamos e capacitamos toda a equipe do franqueador sobre os novos processos estabelecidos.

Nosso método é o mais completo do segmento, foi desenvolvido e testado em marcas conceituadas e traz ao nosso cliente uma base sólida e de alta qualidade para desenvolvermos juntos a sua própria rede de franquias.

Comercialização:

Orientação ao franqueador nas estratégias de expansão, de acordo com o perfil do negócio e característica do mercado, garantindo uma comercialização sólida. Como já citado na descrição de nosso público, a primeira etapa para o serviço de comercialização é a avaliação criteriosa do perfil do candidato para a gestão do dia a dia do negócio. Por exemplo, se for uma franquia do segmento de alimentação, o candidato precisa ser completamente hands on, isto é, estar preparado para colocar a mão na massa a qualquer momento – da faxina ao serviço de mesa. Já se é uma empresa de serviços, ou de bens de consumo duráveis, é indispensável que o franqueado tenha minimamente disposição para aprender questões que envolvem logística. Por essa razão, e outras questões, que a GSPP Consultoria faz grande diferença no crescimento do seu negócio. Temos experiência em enxergar características extremamente relevantes para o sucesso das suas novas unidades franqueadas.

Em seguida, passamos para a estratégia de expansão: para onde crescer? Dentro deste espectro, estudamos a escolha dos novos pontos, uma análise determinante para o sucesso e vitalidade do negócio.

Depois de estudadas todas as viabilidades junto ao franqueado, vem o momento do test drive, principalmente nos casos de segmentos de alimentação, é importante que o candidato tenha alguma experiência prática dentro de um PDV em operação para entender todo operacional, e avaliarmos se ele terá condições de fato de ser hands on em ocasiões emergenciais, como na falta de funcionários, por exemplo. A partir do test drive, teremos maior convicção de que a escolha pela franquia em questão foi efetiva assertiva. E, para o outro lado, do franqueado, também há o objetivo de o mesmo sentir se ele está mesmo preparado para aquele tipo de operação.

E só então entregamos a COF (Circular de Oferta de Franquia) onde são expostas detalhadamente as condições impostas pelo franqueador e acordos pré-estabelecidos entre as partes. A GSPP Consultoria atua fortemente nesta etapa a fim de garantir total transparência nas informações, ponto importante na tomada de decisão, a fim de que não haja qualquer problema de mal entendimento no futuro – assegurando então ambas as partes – franqueador e franqueado – de impasses e questões jurídicas.

Sobre a Consultoria da GSPP em Gestão de Franquias, trabalhamos com um leque amplo a ser definido pelo cliente. Parte do que costumamos fazer: Diagnóstico Organizacional – emergimos na essência de cada negócio, para realizar um diagnóstico organizacional, visando a consistência dos processos e aperfeiçoamento do negócio; Consultoria de Implementação – proposta de implementação tática dos pontos identificados no diagnóstico; Capacitação de Equipes –desenvolvemos treinamentos para franquias de acordo com a necessidade diagnosticada; além de Assessoria Jurídica, Consultoria para seleção pontos comerciais, dentre outras.

Franqueadora:

Ao buscar leads para assumir franquias, nos deparamos com investidores buscando investir no mercado produtivo. Entre eles, ex executivos de grandes empresas, com alta qualificação e com skill de gestão.

Diante dessa mão de obra extremamente qualificada e com o desejo de empreender, concordamos que era a oportunidade de monta uma Franqueadora, que contará com:

MARCA, de qualidade e com desejo de expansão;
GSPP, com equipe própria e experiência no mercado;
INVESTIDORES capazes e bem preparados.

MARCA DE QUALIDADE E COM DESEJO DE EXPANSÃO

Especialmente para o proprietário da marca, que participará da Cogestão da Franqueadora, é uma chance de expandir com os seguintes benefícios:

  • O proprietário continua com a propriedade de marca. Terá a seu dispor uma equipe profissional, qualificada para Gestão da Franqueadora, sem a necessidade de criar uma equipe interna para este fim.
  • Nenhum custo de investimento na Formatação da franquia.
  • Não sofrerá interferência em suas lojas próprias.
  • Obterá receita adicional com Taxas de Franquia e Royalties sem que para isso precise dispor de seus recursos internos humanos e financeiro.

GSPP, COM EQUIPE PRÓPRIA E EXPERIÊNCIA DE MERCADO

A equipe GSPP desenvolverá toda a formatação da Franquia para que ao final do processo, os sócios da marca tenham segurança na relação Franqueado x Franqueador, que será:

  • Um instrumento Jurídico completo, guia de operação que permita o funcionamento impecável de cada unidade, com processos bem definidos, números financeiros que representam a verdade do DRE da loja ou quiosque.
  • Um Marketing adequado ao DNA da marca, com posicionamento bem definido com uma estratégia Comercial de alta eficácia na conquista de Leads e bons locais para instalação das Franquias.
  • Além de fazer a cogestão da Franqueadora, com o objetivo de obter os melhores resultados para todos os envolvidos.

INVESTIDORES CAPAZES E BEM PREPARADOS

Com experiência de mercado, em gestão de grandes empresas, arcarão com os custos totais do processo de formatação e por 12 meses, com os custos de gestão, comunicação, lançamento da marca no mercado, além da comercialização das unidades para os Leads. Além de fazer a cogestão da Franqueadora.

Shopping Center:

Com mais de 25 anos de experiência, temos expertise para Planejamento, Desenvolvimento, Implantação, Gestão, Comercialização e Consultoria de Marketing.

Conhecemos as empresas e profissionais que são referência no segmento como: arquitetos, construtoras, agências de publicidade e propagando, empresas de instalações e manutenção, empresas que prestam serviços de segurança patrimonial, brigada, facilities, etc. E ainda podemos recrutar e selecionar profissionais adequados a cada empreendimento.

No setor de Shopping Center, somos hoje um celeiro de operações de varejo, potenciais locatários dos espaços dos empreendimentos dos mais diversos perfis e dimensões. Atuamos em qualquer região do país.

Consultoria de Varejo

Ajudamos sua empresa a trabalhar de maneira mais inteligente e a crescer mais rapidamente. Nossa equipe de especialistas se esforça para atender às mudanças e tendências do mercado, oferecendo aos nossos clientes soluções desde a estratégia até a implementação, com ênfase particular no varejo.

CONSULTORIA FINANCEIRA: seu principal objetivo é analisar a empresa com ênfase no aumento de receita e redução de custos, com melhores resultados. O escopo do trabalho inclui avaliar e identificar oportunidades de melhoria para construir uma estratégia para fortalecer a empresa. Administração dos recursos financeiros da empresa, classificação de despesas, centros de custo e estrutura de sistemas de caixa e competência. Política de capital de giro, distribuição de lucros e estrutura de capital.

MELHORIA DE PERFORMANCE: visa aumentar o desempenho financeiro, a organização e a estrutura da empresa para o desenvolvimento sustentável, definir uma melhor estratégia de negócios e aumentar o desempenho da empresa

VALUATION: o escopo do trabalho é resumido para identificar recursos que valorizam os negócios, entender aspectos que o tornam menos valioso, saber quanto investir, entender o crescimento ao longo dos anos, negociar, honestamente, boa vontade e alinhar expectativas de valores empresas.

 

PLANO DE NEGÓCIOS: nós nos esforçamos para tornar sua empresa lucrativa, desenvolvemos um conceito de negócios, planejamos de maneira organizada, definimos a melhor estratégia para os negócios, transferimos credibilidade aos investidores, testamos a viabilidade de um conceito de negócios (financeiro, mercado, localização do projeto etc.) e avaliamos o risco potencial.

Escritório Criativo

Nosso escritório criativo está cheio de soluções que geram conversão e comprometimento por meio de branding, visual merchandising, publicidade, estratégia de marketing, conteúdo digital, além de serviços de consultoria de gerenciamento e marketing.

Entendemos as necessidades de cada cliente de maneira especial, moderna e sofisticada, oferecendo as melhores soluções para o seu negócio.

Ainda querendo agregar valor para os nossos clientes, oferecemos palestras e cursos sobre os mais diversos temas que tenham relação com o segmento de varejo.
Se quiser receber por e-mail as informações sobre nossos eventos, cadastre-se no site em https://gspp.com.br/contato/, e no campo mensagem escreva Eventos GSPP.

Precisando de apoio para startar o seu crescimento? Ou quer ter uma franquia?
Agora você já sabe como poderemos lhe ajudar em todas as nossas formas de atuação.

Saiba Mais